Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

República do Djibuti

djibuti

Brasil e Djibuti estabeleceram relações diplomáticas em outubro de 1996. Em junho de 2010, a Embaixada brasileira em Adis Abeba (Etiópia) passou a ser cumulativamente responsável por representar o Brasil junto às autoridades djibutianas. A Embaixada do Djibuti em Havana representa o país cumulativamente junto ao Brasil.

Em maio de 2005, o presidente do Djibuti, Ismail Omar Guelleh, esteve no Brasil para participar da Cúpula América do Sul–Países Árabes (ASPA), ocasião em que se reuniu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em maio de 2010, o embaixador djibutiano em Havana, Ayeid Mousseid Yahya, apresentou cartas credenciais como embaixador não-residente em Brasília, ocasião em que expressou desejo do seu país de abrir Embaixada residente no Brasil. Em agosto de 2011, o Djibuti foi incluído entre os países beneficiários da Lei 12.429, que regulamenta a doação de estoques públicos de alimentos pelo governo brasileiro. Em 2012, foi assinado Acordo de Cooperação Técnica entre os dois países, até o momento o único instrumento bilateral do Brasil com o Djibuti. As prioridades assinaladas pelas autoridades djibutianas para a cooperação centram-se nas áreas de infraestrutura, agricultura, meio ambiente, saúde, educação, solidariedade nacional, pesquisa científica (em parceria com o Centro de Estudos e Pesquisa do Djibuti, CERD) e desenvolvimento social (em parceria com a Agência Djibutiana de Desenvolvimento Social, ADDS).

Há potencial de investimentos entre os dois países no setor de transportes, energia e, sobretudo, na construção e modernização de portos no Djibuti. Empresa brasileira construiu, na década de 1980, o porto de Doraleh, o primeiro no Djibuti com calado suficientemente profundo para receber qualquer tipo de embarcação, bem como, ná década de 2000, terminal de contêineres no mesmo porto. O comércio bilateral é ainda pouco expressivo, sendo açúcar refinado e carne de frango os principais produtos exportados pelo Brasil. Peixes vivos correspondem a 99% das importações brasileiras do Djibuti.

 

Cronologia das relações bilaterais

Década de 1980 – Empresa brasileira constrói o porto de Doraleh no Djibuti

1996 – Estabelecimento de relações diplomáticas por meio de assinatura de comunicado conjunto pelos Representantes do Brasil e do Djibuti junto à ONU

Década de 2000 - Empresa brasileira constrói terminal de contêineres no porto de Doraleh

2005 – Visita ao Brasil do presidente do Djibuti, Ismail Omar Guelleh, para participar da I Cúpula América do Sul–Países Árabes (ASPA)

2010 – O embaixador djibutiano em Havana, Ayeid Mousseid Yahya, apresentou cartas credenciais como embaixador não-residente em Brasília

2010 – A Embaixada brasileira em Adis Abeba (Etiópia) substitui a Embaixada brasileira em Nairóbi (Quênia) na função de representar cumulativamente o Brasil junto às autoridades djibutianas

2011 – Djibuti é incluído no rol de beneficiários da Lei 12.429, que regulamenta a doação de estoques públicos de alimentos pelo Governo Brasileiro

2012 – Assinatura do Acordo de Cooperação Técnica na Chancelaria djibutiana, por ocasião da apresentação de credenciais da embaixadora brasileira não residente

2016 – Embaixador brasileiro residente na Etiópia apresenta credenciais no Djibuti

2019 – O atual embaixador brasileiro, residente na Etiópia, apresenta credenciais no Djibuti

Fim do conteúdo da página